CPI que investiga contratos entre Prefeitura de Cambé e Instituto Atlântico começa a convocar depoentes

por elis — última modificação 13/04/2016 11h57

A CPI, que é presidida pelo vereador Cecílio Araújo e composta também pelos vereadores Irineu Defende (relator) e Mário Som (membro), também pretende convocar para depoimentos os secretários municipais Luiz César Lazari (governo), Eduardo Pavinato (administração), David Maireno (auditor) e Alessandra Garcia Vaz (saúde).

A CPI foi instaurada em função da ação comandada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado – Gaeco, realizada em Londrina, através da “Operação Antissepsia”, que resultou na prisão de mais de 20 pessoas supostamente envolvidas em um esquema de desvio de recursos públicos e corrupção de agentes públicos do setor de saúde daquele município.

Ocorre que o Instituto Atlântico tem um contrato com a Prefeitura de Cambé no valor de R$ 12,5 milhões, para o período de 25 de janeiro de 2010 a 25 de janeiro de 2012, para prestação de serviços junto ao Programa Saúde da Família (PSF), Programa de Agentes de Combate a Dengue e outras endemias e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NASF).

Na epóca da abertura o presidente do legislativo Conrado Scheller justificou que “a CPI não significa um pré julgamento de que exista alguma irregularidade, mas o dever do poder legislativo em fiscalizar todas as ações que envolvem o poder público e torná-las transparentes para a comunidade”.