Câmara de Cambé proibiu Prefeitura de remunerar servidores que trabalham fora do Município

por jaque — última modificação 13/04/2016 11h51
Câmara de Cambé proibiu Prefeitura de remunerar servidores que trabalham fora do Município

Vereador Conrado Scheller

.. que proíbe o pagamento de salários pela Prefeitura para funcionários cedidos para outros municípios ou órgãos dos governos federal ou estadual, cujas sedes não sejam em Cambé.
A primeira discussão e votação do projeto aconteceu na sessão do último dia 28 de setembro. Além do autor do projeto, votaram a favor os vereadores Paulo Tardiolle, Alzira da Farmácia, Irineu Defende, Mario Som, Cecílio Araújo e Zezinho da Ração. Os votos contrários foram dos vereadores Osvaldo do Ana Rosa, Júnior Félix e Ivani da Unidef. A segunda votação foi uma repetição da primeira, com exceção do vereador Osvaldo do Ana Rosa que não estava presente.

O vereador Conrado justificou a apresentação do projeto afirmando que se trata de uma questão de justiça com os demais funcionários públicos municipais e com a comunidade que é prejudicada pela falta de servidores em muitos serviços essenciais da Prefeitura. “Acredito que todas as pessoas que estão prestando serviços em outras localidades foram chamadas porque são competentes. Portanto, o mais justo é que os salários sejam pagos por quem é beneficiado por esses serviços. Cambé está carente de servidores em praticamente todos os setores e o que pretendemos é aliviar o caixa da Prefeitura para que se possa contratar outros profissionais para ajudar a diminuir as deficiências existentes atualmente”, afirma o vereador, acrescentando que “Cambé já contribui muito com o Estado através do trabalho de toda nossa gente que gera impostos e riquezas e recebe muito pouco em troca”, disse.

Conrado disse ainda que “além dessas questões precisamos observar que temos obrigação de nos adequarmos aos princípios da moralidade e impessoalidade. Não é admissível nos dias atuais ficarmos obrigados a dar sequência a um ato do passado que vem se arrastando ao longo dos anos. Nos elegemos para propor mudanças e soluções para o que está errado. Não podemos passar o nosso tempo na Câmara simplesmente aceitando o que foi feito no passado e ficarmos passivos diante de situações que não concordamos”, finalizou.